A represa Billings, um reservatório tropical urbano eutrofizado e as macrófitas aquáticas: aspectos ecológicos e diagnóstico ambiental

 

Apresentação

Neste site é apresentado a proposta de projeto de pesquisa que estudou aspectos ecológicos da represa Billings, projeto inicialmente financiado pela Fapesp (proc. 02/13376-4.

A represa Billings é o um dos mais importante corpo de água da região metropolitana da cidade de São Paulo. Apresenta papel estratégico no abastecimento de água à população. Somado à intensa pressão pela urbanização do seu entorno, são prementes estudos que contribuam com proposta de monitoramento e manejo de sua bacia hidrográfica, permitindo a manutenção e a melhoria da qualidade da água.


O projeto

As plantas aquáticas exercem papel de destaque nos ecossistemas aquáticos, atuando como substrato para algas, sustentando a cadeia de detritos e herbivoria, funcionando como compartimento estocador e acelerando a ciclagem de nutrientes no ambiente (Caines, 1965; Boyd, 1969; Riemer & Toth, 1969; Wetzel, 1981; Brock et al., 1983). No estudo das plantas aquáticas a determinação da biomassa é um dos primeiros procedimentos na avaliação da função dessas plantas para o ecossistema, permitindo inferir sobre o período de crescimento, seus estoques de nutrientes, sobre o fluxo de energia e a ciclagem de nutrientes (Granéli & Solander, 1988; Nogueira & Esteves, 1990; Pompêo et al., 2001). 

As macrófitas aquáticas de região tropical crescem durante todo o ano, pois há condições ótimas, com regime térmico e luminoso favoráveis (Shah & Abbas, 1979; Esteves & Camargo, 1986; Neiff, 1990; Piedade et al., 1991; Junk & Piedade, 1993; Moschini-Carlos et al., 1993; Pompêo et al., 1999, 2001). De modo a minimizar a competição por espaço, nutrientes, luz, etc., o crescimento não ocorre no mesmo período para as diversas plantas que coexistem no ecossistema aquático. Ocorre um crescimento diferencial, com espécies crescendo durante períodos mais amplos e outras se desenvolvendo por períodos menores, minimizando os efeitos da competição (Neiff, 1990). 
 
A análise da composição química do tecido vegetal das plantas aquáticas permite caracterizar as inter-relações entre elas e o meio. Justifica-se também pela necessidade de detectar compostos nocivos, que inviabilizariam a utilização das plantas para múltiplas finalidades (Carpenter & Adams, 1977; Pompêo, 1996a). Também é importante analisar o processo de decomposição - complexo conjunto de processos físicos, químicos e biológicos, especialmente microbiológicos - do material vegetal. Os processos envolvidos reduzem a matéria orgânica morta a seus constituintes químicos elementares, que podem ser complexados a outros compostos, absorvidos pelos organismos ou perdidos pelo sistema (Golley, 1983), suprindo de nutrientes e matéria orgânica a região litoral dos lagos (Howard-Williams & Junk, 1976; Bianchini Jr, 1999). A análise das macrófitas aquáticas emersas através de imagens-remotamente sensoriadas e geo-referenciadas (Lillesand & Kieffer, 1994; Burrough & McDonnell, 1998) permite quantificar a sua cobertura vegetal e inferir aspectos relacionados ao seu estádio fenológico e composição química.
 
 
 
Estão previstos estudos com macrófitas aquáticas em diferentes braços do Complexo Billings, e em pequenas lagoas marginais presentes nos braços, com os objetivos de:
 
•relacionar o estatus trófico do reservatório e a ocupação de macrófitas aquáticas;
•determinar as variações sazonais da biomassa das macrófitas aquáticas;
•determinar as taxas de decomposição do material vegetal;
•determinar os estoques de nutrientes considerando os compartimentos macrófitas aquáticas, coluna d'água e sedimento;
•determinar a produtividade primária de uma macrófita aquática submersa;
•elaborar estudo comparativo nos braços do reservatório e lagoas marginais relacionando as variáveis ambientais, usos e ocupações de suas respectivas bacias hidrográficas.

 

A bacia hodrográfica da represa Billings e pontos de monitoramento. 


  Observação
Este mapa foi adaptado de Capobianco & Whately (2002). Os códigos apresentados são relativos as estações de monitoramento da CETESB. São apresentados os pontos de amostragem previstos nesta proposta de trabalho.  
 
 
 

 



 
  
BEYRUTH, Z. Comunidade fitoplanctônica da represa de Guarapiranga: 1991-92. Aspectos ecológicos, sanitários e subsídios para reabilitação ambiental. USP: Programa de Pós-Graduação em Saúde Ambiental, Faculdade de Saúde Pública, 191 pg e anexos, 1996. 
BITENCOURT-PEREIRA, M.D. Estudo preliminar para a estimativa de níveis de eutrofização utilizando dados espectrais obtidos pelo sistema TM-Landsat: Reservatório de Paraibuna-SP. In:  V Simp. Bras. Sens. Remoto.  Natal-RN, 11-15 Out. 1988. Anais. Vol. 1:86-89. 1988. 
BITENCOURT-PEREIRA, M.D. Dificuldades no uso de dados espectrais orbitais para inferir ou estimar concentração de clorofila em ecossistemas lênticos tropicais In: VII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Curitiba - PR, 10-l4 de maio 1993. Anais. INPE, São José dos Campos, SP.Vol.3 pp 109-116. 1993. 
BITENCOURT-PEREIRA, M.D. Parâmetros linmológicos passíveis de serem monitorados através de sensores remotos orbitais, Programa de Ecologia e Recursos Naturais – UFSCar – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos – SP, 1992. 
BUKATA, R.P.; BRUTON, J.E.; JEROME, J.H.; JAIN, S.C. & ZWICK, H.H. Optical water quality model of Lake Ontario. 2) Determination of chlorophyll-a and suspended mineral concentrations of natural waters from submersible and low altitude optical sensors. Applied optics, v. 20, n. 9, p. 1704-1714, 1981b. 
BUKATA, R.P.; JEROME, J.H.; BRUTON, J.E.; JAIN, S.C. & ZWICK, H.H. Optical water quality model of Lake Ontario. 1) Determination of the optical sections of organic and inorganic particulate in Lake Ontario. Applied optics, v. 20, n. 9, p. 1693-1703, 1981a. 
BUKATA, R.P.; BRUTON, J.E. & JEROME, J.H. Use of chromaticity in remote measurements of water quality. Remote Sensing of Environment, v. 13, n. 2, p. 161-177, 1983. 
CAMARGO, A.F.M. & ESTEVES, F.A. Biomass and productivity of aquatic macrophytes in Brasilian lacustrine ecosystems. In: TUNDISI, J.G.; BICUDO, C.E.M. & MATSUMURA-TUNDISI, T. (eds.) Limnology In Brazil. Rio de Janeiro: ABC/SBL, 137-149 p., 1995. 
CETESB, Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental, Avaliação do Complexo Billings: comunidades aquáticas – (Out/92 a Out/93), DAH, 1996. 
CETESB, Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental, Relatório de qualidade das águas interiores do estado de São Paulo 2000, São Paulo: CETESB, Secretaria de Estado do Meio Ambiente, 2001.
CETESB, Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental, Relatório de qualidade das águas interiores do estado de São Paulo 2001. São Paulo: CETESB, Secretaria de Estado do Meio Ambiente, 2002. 227p. (http://www.cetesb.sp.gov.br/, 05/08/02). 
CMR, COMISIÓN MUNDIAL DE REPRESAS, Represas y desarrollo: un nuevo marco para la toma de decisiones, Comissión Mundial de Represas. Reporte Final, 404p., novembro/2000.
EMAE, Empresa Metropolitana de Águas e Energia S.A. 2002, http://www.emae.sp.gov.br/, 26/07/02. 
ENVIRONMENT AGENCY, Aquatic eutrophication in England and Wales. A proposed management strategy. Bristol: Environment Agency, Consultative Report, Dec. 1998, 36p. 
ESTEVES, F.A. Fundamentos de Limnologia. Rio de Janeiro: Editora Interciência. 1988, 574p. 
ESTEVES, F.A. & CAMARGO, A.F.M. Sobre o papel das macrófitas aquáticas na estocagem e ciclagem de nutrientes. Acta Limnol. Brasil., v. 1, p. 273-298, 1986. 
ESTEVES, F.A. & MENEZES, C.F.S. Productivity and organic carbon release in a tropical aquatic macrophyte: Utricularia breviscapa Griseb. Int. J. Ecol. Env. Sci., v. 18, p. 55-61, 1992. 
KIMMEL, B.L.; LIND, T.O. & PAULSON, L.J. Reservoir primary production. In: THORTON, K.W.; KIMMEL, B.L. & PAYNE, F.E. (eds). Reservoir Limnology. Ecological perspectives. A Wiley-Interscience Publication, New York. pp. 133-193, 1990. 
LORENZEN, C. J. Determination of chlorophyll and pheo-pigments: Spectrophotometric equations. Limnol. Oceanogr., v. 12, p. 343-346, 1967. 
MAIER, M.H.; TAKINO, M. & MONTEIRO Jr., A.J. Comportamento diurno do reservatório rio Grande (complexo Billings), 23052´S – 46031´W; Riacho Grande, SP, Brasil. B. Inst. Pesca, 247, 1997. 
MÜLLER, A.C. Hidrelétricas, meio ambiente e desenvolvimento. São Paulo: Makron Books, 1995, pg. 421. 
PALOMBO, C.L. & PEREIRA, M.D.B. Monitoramento de plantas aquáticas por satélite. Ambiente, v. 6, n. 1, p. 49-54, 1992. 
POMPÊO, M.L.M. Perspectivas da limnologia no Brasil. São Luís: Gráfica e Editora União, 1999, 191 pg.
POMPÊO, M.L.M. & HENRY, R. Decomposition of Echinochloa polystachya (H.B.K.) Hitchcock, macrophyte in Jurumirim Reservoir (São Paulo - Brazil). Verh. Internat. Verein. Limnol., v. 26, p. 1871-1875, 1998.
POMPÊO, M.L.M.; HENRY, R. & MOSCHINI-CARLOS, V. Chemical composition of tropical macrophyte Echinochloa polystachya (H.B.K.) Hitchcock in Jurumirim Reservoir (São Paulo, Brazil). Hydrobiologia, v. 411, p. 1-11, 1999a.
POMPÊO, M.L.M.; HENRY, R. & MOSCHINI-CARLOS, V. The water level influence of on biomass of the Echinochloa polystachya (H.B.K.) Hitchcock in the Jurumirim Reservoir (São Paulo, Brazil). Rev. Brasil. Biol., v. 61, n. 1, p. 19-26, 2001.
POMPÊO, M.L.M.; MOSCHINI-CARLOS, V. & HENRY, R. Annual balance of biomass, nitrogen, and phosphorus stocks of the tropical aquatic macrophyte Echinochloa polystachya (H.B.K.) Hitchcock (Poaceae) in the Jurumirim Reservoir (São Paulo, Brazil). Acta Hydrobiol., v. 41, n. 2, p. 179-186, 1999b.
POMPÊO, M.L.M.; MOSCHINI-CARLOS, V. & HENRY, R. Growth of tropical macrophyte Echinochloa polystachya (H.B.K.) Hitchcock in Jurumirim Reservoir (São Paulo State, Brazil). Acta Biol. Venez., v. 19, n. 4, p. 1-8, 1999c.
POMPÊO, M.L.M. & MOSCHINI-CARLOS, V. Zonação e biomassa das macrófitas aquáticas na Lagoa Dourada (Brotas, SP), com ênfase na Utricularia gibba L.. Acta Limnol. Brasil., v. 7, p. 78-86, 1995.
POMPÊO, M.L.M. & MOSCHINI-CARLOS, V. Seasonal variation in tehe density of the macrophyte Scirpus cubensis Poepp & Kunth (Cyperaceae) in the Lagoa do Infernão, State of São Paulo, Brazil. Limnética, v. 12, n. 1, p. 17-23, 1996.
POTT, V.J. & CERVI, A.C. A família Lemnaceae Gray no Pantanal (Mato Grosso e Mato Grosso do Sul), Brasil. Rev. Brasil. Bot., v. 22, n. 2, p. 153-174, 1999.
POTT, V.J. & POTT, A. Plantas aquáticas do Pantanal. Brasília: EMBRAPA, 2000, 404 pg.
SIGNUS Editora, Dia a dia,
http://www.signuseditora.com.br/Sa-85/SAdia85.html#6, núm. 85, março/abril de 2002, 26/07/02.
TUNDISI, J.G.; SAIJO, Y.; HENRY, R. & NAKAMOTO, N. Primary productivity. phytoplankton biomass and light photosynthesis responses in four lakes. In: TUNDISI. J.G. & SAIJO. Y. (EDS). Limnological studies on the Rio Doce Valley Lakes. Brazil. 1997, p: 199-225.
 
 
Por Marcelo Pompêo1 & Viviane Moschini Carlos2
1- USP, IB, Depto. de Ecologia, São Paulo, SP, Brasil. 2- UNESP, Campus de Sorocaba, Sorocaba, São Paulo, Brasil